sábado, 23 de agosto de 2014

Hoje acabam todos os recursos naturais gerados para 2014



Publicado em Exame.com, por Beatriz Souza
John Moore/Getty Images

Nesta terça, 19 de agosto, a humanidade entra em dívida ecológica – em pouco mais de oito meses, utilizamos tudo que a natureza é capaz de regenerar em um ano

Pegada ecológica: conta dos recursos naturais da Terra está no vermelho

São Paulo - A partir de hoje a Terra entra no vermelho. Segundo dados da Global Footprint Network (GFN), uma organização de pesquisa que mede a pegada ecológica do homem no planeta, em menos de 8 meses esgotamos todos os recursos que a natureza é capaz de oferecer de forma sustentável no período de um ano.

Este 19 de agosto é o dia da Sobrecarga da Terra (em inglês, Overshoot Day). Isto significa que pelo resto do ano, vamos manter o nosso déficit ecológico: reduziremos nossas reservas e aumentaremos ainda mais a quantidade de CO² produzidos na atmosfera.

A cada ano, os recursos naturais duram menos. No ano 2000, por exemplo, este dia de esgotamento foi em 1º de outubro. Hoje, 85% da população mundial vive em países que demandam mais da natureza do que os seus ecossistemas podem renovar.

É como se a conta no banco fechasse todo mês no vermelho: estamos gastando mais do que ganhamos. O "cheque especial do planeta" está cada vez mais visível na vida de todo mundo. O aquecimento global é a mais óbvia, visível e urgente destas consequências.

De acordo com os cálculos da GFN, seriam necessários 1,5 planeta para produzir os recursos ecológicos necessários para suportar a atual pegada ecológica mundial.

Pegada ecológica

A pegada ecológica faz a conta entre a demanda humana por recursos naturais e a capacidade regenerativa do planeta. Ela corresponde ao tamanho das áreas produtivas da terra e de mar necessárias para gerar produtos, bens e serviços que utilizamos no nosso dia a dia - e se esse consumo está dentro da capacidade ecológica do planeta.


Acesse à publicação original em Exame.com
Sugestões em FALE CONOSCO
Sugestão enviada por: Andréa Costa Barros

Nenhum comentário:

Postar um comentário