quinta-feira, 6 de outubro de 2011

Que?! Um blog?



Foi essa a minha indagação quando um amigo me sugeriu que criasse um blog para tratar das questões que venho discutindo de uns tempos para cá, pelos caminhos que tenho trilhado, sobretudo no campo acadêmico.
Sempre tive uma queda pelas questões ecológicas, mas foi nos últimos cinco ou seis anos que fui “tocado” pelo interesse teórico/acadêmico sobre os assuntos ambientais.
Esse tempo tem significado uma longa perseguição em busca desses novos conhecimentos: uma pós, um mestrado e agora o doutorado em andamento. Até aqui consegui ter a certeza de que ainda não sei nada, diante da imensidão de conhecimentos que envolvem os temas ambientais, em especial aqueles relativos ao Direito Ambiental, onde tenho procurado um maior aprofundamento.
Pois bem... Este espaço virtual servirá para levantarmos questionamentos e discutirmos sobre as temáticas que envolvam o meio ambiente. Assuntos ligados ao Direito Ambiental, Desenvolvimento Sustentável, Economia Ambiental e outros afins significarão uma oportunidade de pesquisarmos e, sendo possível, apresentarmos um posicionamento perante os amigos que tenham semelhante interesse.
O nome FOCO AMBIENTAL surgiu por acaso, mas acho que representa bem a necessidade de que todos devem ter esse foco para que tenhamos um mundo melhor.
Serão bem vindas todas as contribuições, por mais inocentes que possam parecer. Aliás, nessas horas, quando tratamos de questões simples do dia-a-dia, é que de fato cuidamos do meio ambiente.
Ah! Perdoem-me pela pouca habilidade com as ferramentas do blog. Prometo que vou tentar me aperfeiçoar e me tornar um blogueiro de verdade. É só ter paciência...

Abraço a tod@s!

Zeildo Mendes

4 comentários:

  1. muito bom. continue assim que você vai se tornar um blogueiro de verdade!

    ResponderExcluir
  2. Parabéns, Zeildo! Não me surpreendes.

    Aproveito o seu espaço para comentar uma pergunta, um tanto brincalhona, que fiz ontem ao reler o interessante livro de Guillermo Foladori (Limites do Desenvolvimento Sustentável, Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2001, p.35): "Dentro de outros 5 bilhões de anos, o Sol aumentará de tal forma seu calor que,seguramente, incinerará a Terra, podendo chegar a explodi-la".
    A minha pergunta foi: "como podemos falar em sustentabilidade?".

    ResponderExcluir
  3. Muito bom Zeildo, um blog nao deixa de ser uma forma de discussao... A ciência se faz na discussão e as mudanças internas tambem...parabens, vou acompanha-lo sempre...abraços

    ResponderExcluir
  4. Obrigado a Ivo e Perrelli!
    Se entendi bem o primeiro questionamento, colocar-se-ia em dúvida o conceito de sustentabilidade, pois este pressupõe a ideia de perenidade do planeta Terra quando presentes determinadas condições de equilíbrio.
    Entendo que mesmo assim não haveria uma contradição conceitual, pois poderíamos considerar essa “morte do planeta” como sendo provocada por uma causa exógena, já que as maiores discussões em torno da sustentabilidade envolvem as causas endógenas ao sistema, em especial aquelas oriundas das atividades humanas. E considerar-se-ia, no caso, como dizem os economistas, a condição ceteris paribus, ou seja, tudo o mais constante.

    ResponderExcluir